Espaço Mulher >> Cálculo renal



O cálculo renal, urolitíase, nefrolitíase, popularmente conhecido como “Pedra no rim” é uma condição clinica muito comum, principalmente em países tropicais, sendo que pode acometer de 1% a 7% da população de acordo com diferentes publicações ou estatísticas de hospitais.

Os cálculos são formados por substancias químicas sendo que com maior freqüência sais de cálcio.

A suspeita de cálculo renal pelo médico é baseada no exame clínico, sendo que cólica, náuseas, dor, infecção urinária e sangramento urinário são achados freqüentes nesta situação.

A confirmação do diagnóstico em sua grande maioria se faz através de exame de urina e exames de imagem que deverão ser criteriosamente realizados levando-se em consideração radiação, riscos e custo.

A Ultrassonografia é o exame realizado com maior freqüência. Permite a avaliação do rim, ureter se dilatado e bexiga. O sucesso está relacionado com o tamanho e a posição do cálculo, sendo que quando menores de três mm, mesmo que estiverem no rim poderão não ser detectados. Cálculos no ureter podem ser extremamente difíceis de serem encontrados, principalmente se não houver dilatação dos mesmos. Figura 1

 

Radiografia do abdome tem sensibilidade variável lembrando que para ser detectado o cálculo tem que ser de material químico radio - opaco, como o cálcio. Figura 2

 

A Urografia Excretora, até recentemente método de escolha diagnóstica, tem como principal contra-indicação (além da radiação) a necessidade de injeção de substancia química à base de iodo que pode desencadear reação anafilática e deverá ter especial atenção se o paciente for portador de doença renal ou fizer uso de medicações (entre elas para diabetes) que poderá ocasionar reações complexas.

A Tomografia Computadorizada tem sido utilizada com maior freqüência nos últimos anos como método complementar principalmente se a ultrassonografia não foi diagnóstica. Geralmente não é empregado contraste, mas ressaltamos como principal lembrança a necessidade de uso de radiação ionizante que deverá ser cuidadosamente avaliada principalmente em crianças; geralmente não é empregada em gestantes exceto em situações extremamente complexas

Figura 3 

 

No tratamento do cálculo renal em sua fase inicial, a dor é a maior preocupação sendo empregadas diferentes medicações.

 Figura 4

 

Conduta clinica ou cirúrgica será adotada individualmente.

Pacientes que foram acometidos de cálculo renal tem maior probabilidade de apresentarem novos episódios no decorrer da vida sendo recomendado que  tenham sempre seu médico clinico-urologista de referencia.

 

=============================================

Prof. Dr. Roberto Avritchir

Médico Radiologista formado pela Faculdade de Medicina Souza Marques em 1984, com Residência Médica, Mestrado e Doutorado pela Santa Casa De Misericórdia de São Paulo.

Professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Diretor clinico da CRYA-Clinica Radiológica Yeochua Avritchir

Membro titular do colégio Brasileiro de Radiologia

Contato crya@crya.com.br

Figura 1 - Ultrassonografia - cálculo em ureter direito.
Figura 2 - Radiografia do Abdome - Cálculos em rim esquerdo.
   
Figura 3 - Tomografia Computadorizada do Abdome - cálculo em rim direito
Figura 4 - cálculo renal
Autor: Prof. Dr. Roberto Avritchir
Compartilhe:
Compartilhe no Facebook
Imprimir
Voltar